Blog do Mario Magalhaes

A cascata do século: Lula não iria substituir Dilma na eleição de 2014?
Comentários 2

Mário Magalhães

Foram meses, anos, da mesma cantilena, repetida à exaustão como um programa de lavagem cerebral: caso Dilma Rousseff patinasse na campanha de 2014, Luiz Inácio Lula da Silva a substituiria na chapa encabeçada pelo PT.

Pois Dilma disputa a eleição com imensa dificuldade, diante da pujança de Marina Silva, do PSB.

O prazo para a troca de candidatos acabou há poucas horas, pontualmente à meia-noite desta segunda-feira 15 de setembro.

Em outubro, o nome na urna eletrônica será o da presidente, não o do ex-presidente.

Nenhuma “informação'', entre aspas, foi tão plantada nos últimos tempos como a troca de Dilma por Lula.

As sementes foram espalhadas por dois tipos de agricultores: petistas que não gostam de Dilma, que perderam prestígio no governo dela ou que temem largar o poder com uma derrota eleitoral; e políticos e empresários que preferem o PT longe do Palácio do Planalto.

Em comum, a plantação pretendia enfraquecer Dilma.

Com o adubo despejado em abundância pelo jornalismo, colheu-se a cascata.

Cidadãos comuns ecoavam que Lula voltaria, conforme tinham lido, assistido ou ouvido nos meios de comunicação.

Houve jornalistas que bancaram o regresso de Lula. Até agora, neste 16 de setembro, ainda não se manifestaram.

Sempre há uma explicação. Lembro-me dos tempos em que, repórter esportivo, eu cobria o cotidiano da CBF. Havia um colega que vivia publicando “furos'', novamente entre aspas, que não se confirmavam. Para o cascateiro, o vexame das informações falsas não o constrangia. Ele providenciava novas “reportagens'', contando que reuniões “na madrugada'' haviam mudado planos e decisões anteriores.

É possível que Lula (mais) e Dilma (menos) considerassem a hipótese de, em cenário muito sombrio para eles, o antigo presidente concorrer neste ano. Mas bater o martelo, nunca bateram, e é provável que esta nunca tenha sido a perspectiva.

Quando a propaganda sufoca o jornalismo, dá nisso: desinformação.

A brilhante jornalista e ensaísta norte-americana Janet Malcolm errou ao generalizar e ao aparentemente buscar a polêmica fácil. Mas eu tenho relido com desamparo a abertura do seu “O jornalista e o assassino'' (Companhia de Bolso, tradução Tomás Rosa Bueno):

“Qualquer jornalista que não seja demasiado obtuso ou cheio de si para perceber o que está acontecendo sabe que o que ele faz é moralmente indefensável''.

( O blog está no Facebook e no Twitter )


Em revés dos censores da história, Marighella enfim é tema de vestibular
Comentários 1

Mário Magalhães

blog - marighella vestibular uerj

Em episódio raríssimo no país, o vestibular da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj) apresentou neste domingo 14 de setembro uma questão em que o revolucionário baiano Carlos Marighella (1911-1969) foi personagem. A pergunta de múltipla escolha caiu no capítulo de ciências humanas. Está reproduzida acima.

A despeito de sua imensa projeção no exterior e relevância no Brasil do século XX, Marighella até hoje não é admitido nos livros escolares nacionais. Continua a ser um brasileiro maldito.

O estrago à memória provocado por certa historiografia que o baniu se expressa nas acaloradas controvérsias contemporâneas sobre Marighella. Muitos de seus partidários e muitos de seus opositores conhecem pouco sua trajetória.

Sabem pouco tanto para se identificar mais com ele quanto para rejeitá-lo com mais fervor.

A ausência de Marighella nos ensinos médio e superior constitui desonestidade intelectual e crime de lesa-história.

Seria um despropósito os manuais de colégio promoverem ou condenarem o deputado, militante comunista e guerrilheiro. Deveriam é contar escrupulosamente o que ele fez e deixou de fazer.

A sobrevivência desse manto de silêncio ofende a democracia. Ensina-se, como se deve ensinar, quem foi o brilhante anticomunista Carlos Lacerda (1914-1977). Se, no Brasil, Lacerda teve muito mais fama e influência que Marighella, mundo afora ocorreu o contrário.

Marighella foi espionado por serviços secretos como a Central Intelligence Agency norte-americana e o KGB soviético. O jornal francês “Le Monde'' chamava-o de “mulato hercúleo''. O semanário “Time'', dos Estados Unidos, de “mulato de olhos verdes'' (eram castanhos). Seus escritos ainda hoje inspiram movimentos rebeldes em todo o planeta. O “Minimanual do guerrilheiro urbano'' é estudado das academias militares da China às salas de aula de Langley, onde fica a sede da CIA. O filósofo francês Jean-Paul Sartre publicou em sua célebre revista, “Les Temps Modernes'', artigos de Marighella e sua organização guerrilheira, a Ação Libertadora Nacional (ALN). Seu compatriota Jean-Luc Godard, cineasta, ajudou com dinheiro, entregando-o a um colaborador da ALN, o diretor brasileiro Glauber Rocha. O cineasta italiano Luchino Visconti também contribuiu com os guerrilheiros dando um troco. O pintor catalão Joan Miró doou esboços para a ALN leiloar.

No Brasil, Marighella frequentou as primeiras páginas dos jornais, rendendo um sem-número de manchetes, da década de 1930 à de 1960. Enfrentou duas ditaduras, a do Estado Novo (1937-1945) e a instaurada em 1964. Em 1936, preso pelos beleguins da polícia de Getulio Vargas, foi torturado por três semanas. Passou ao todo sete anos e meio em cana. Na Constituinte de 1946, que redemocratizou a nação, foi membro da mesa diretiva e, com seu amigo Jorge Amado, ghost-writer da bancada comunista. Batalhou pelo divórcio, pela separação Igreja-Estado, pela introdução do 13º salário, pelo direito de greve, pela liberdade religiosa e de opinião. Orientou a legendária Greve dos 300 Mil, em 1953. Contra a ditadura nascente, resistiu à prisão e foi baleado e detido em maio de 1964. Em 1968, já na luta armada, o governo ditatorial declarou-o “inimigo público número 1″. Foi capa da “Veja'' em novembro de 1968, vivo, e novamente em novembro de 1969, morto. Aos menos 29 agentes da ditadura, armados até os dentes, fuzilaram-no em 4 de novembro de 1969. Ele não portava nem um canivete.

É este brasileiro, que fez fama na Bahia ao responder em versos rimados a uma prova de física, que certos historiadores proibiram ter o nome pronunciado nos colégios. Para eles, não faltam personagens na nossa história, porém Marighella não pode ser um deles.

Sou suspeito, na condição de biógrafo de Marighella. Mas o livro que escrevi não o aclama como herói nem o avacalha como vilão. Narrei o que ele fez, disse e, na medida do possível, pensou. A opinião de cada leitor depende das ideias que tem. A um biógrafo, cabe informar, com a estética mais sedutora possível, para que o leitor chegue ao ponto final apto a formar juízo.

Quando Marighella aparece num vestibular como o da Uerj, o obscurantismo sofre um revés.

A resposta correta da questão 47 é a letra A.

( O blog está no Facebook e no Twitter )


O esquecimento é amigo da barbárie: há 14 meses, policiais matavam Amarildo
Comentários 1

Mário Magalhães

Manifestação em Copacabana, em 2013 – Foto Tânia Rêgo/Agência Brasil

 

Há 14 meses, completados neste domingo, policiais militares torturaram, mataram e sumiram com o corpo do pedreiro Amarildo.

Neste período de um ano e dois meses, PMs foram indiciados e acusados pelos crimes. Muitos estão em cana, à espera de julgamento.

O Estado, porém, ainda não honrou um dever essencial: se não protegeu o trabalhador que morava na Rocinha, muito pelo contrário, tem de, ao menos, entregar os restos mortais para que a família de Amarildo possa se despedir dignamente dele.

Foi em 14 de julho de 2013.

Pela indiferença crescente, regada pela falta de memória, parece que faz um século.

Cadê o Amarildo?

( O blog está no Facebook e no Twitter )


Coronel preso ganha mais que Pezão: R$ 17 mil líquidos (R$ 32 mil brutos)
Comentários 89

Mário Magalhães

vavavvav

 

A baixa remuneração de policiais militares, às vezes considerada motivo a conspirar para a corrupção entre esses funcionários públicos, não se aplica ao coronel Alexandre Fontenelle Ribeiro de Oliveira. Preso hoje no Rio, ele ostenta um contracheque de R$ 32.251,41 brutos e R$ 17.107,29 líquidos (há descontos usuais e o causado pelo teto de salário determinado por emenda constitucional).

O coronel recebe mais do que o servidor Luiz Fernando de Souza, assim nomeado nos registros do Estado. Trata-se do governador do Rio, conhecido como Pezão. O sistema estadual registra a remuneração mensal bruta de Pezão em R$ 21.968,14 (menos R$ 10.283,27 que o oficial da PM) e, líquida, em R$ 16.330,43 (menos R$ 776,86).

Em tese, Fontenelle não poderia receber mais do que o governador. A legislação, porém, é um queijo cheio de furos em matéria de possibilidades de aumentar rendimentos.

O coronel e outros PMs foram presos nesta manhã, sob acusação de formação de quadrilha armada (leia reportagem do UOL clicando aqui).

Terceiro quadro da hierarquia da PM e comandante do COE (Comando de Operações Especiais), Fontenelle tinha sob sua chefia, entre outros oficiais, o comandante do Bope, a tropa de elite cuja cultura seria mais avessa à corrupção, conforme a fama.

Ele próprio já foi “caveira'', integrando o Bope.

( O blog está no Facebook e no Twitter )


Em evento com Marina, aliado da candidata do PSB chama Dilma de anta
Comentários 57

Mário Magalhães

Imagine a cena.

No tradicionalíssimo Clube de Engenharia, aqui no Rio, um aliado da candidata à reeleição Dilma Rousseff enche o peito e, microfone à mão, esgoela-se:

“A candidatura de Dilma pode ser anulada pelo Ibama: ela abateu um tucano e uma anta''.

Ao seu lado, sentada na mesma mesa diretiva dos trabalhos, Dilma ouve o que se pretende uma piada.

Como Aécio Neves é filiado ao PSDB, partido simbolizado por um tucano, a anta só pode ser Marina Silva.

Na presença da presidente da República, uma ex-senadora é chamada de anta.

E Dilma cala, mesmo tendo a oportunidade de pedir para seu companheiro manter algum nível de civilidade na campanha. Isto é, não apela contra a baixaria proferida pelo colega de coligação.

Agora, imagine o barulho do noticiário sobre o discurso do aliado da presidente e o silêncio dela, recusando-se a confrontar a desclassificação agressiva e pública da concorrente ao Planalto.

Quantas horas na TV, no rádio, na internet? Quantas páginas de jornais, quantos posts? O mundo desaba, afinal Dilma foi condescendente com o recurso apelativo do correligionário que compartilhava a mesma mesa com ela.

“Quem cala consente'', diriam os comentaristas.

O contrário

Esta cena de fato aconteceu, nesta quinta-feira no Rio.

Mas, onde se leu Dilma, leia-se Marina, e vice-versa.

Eis a nota “Fino'', que saiu hoje no “Painel'':

“Do vice-presidente do PPL, Fernando Siqueira, em ato no Rio: 'A candidatura de Marina pode ser anulada pelo Ibama: ela abateu um tucano e uma anta'. A ex-senadora sorriu amarelo''.

Acrescento eu: “sorriu amarelo'', mas calou, sem repreender o dirigente de partido que integra a coligação que propõe Marina à Presidência.

A “anta'' a quem o aliado de Marina se referiu é, obviamente, Dilma Rousseff.

Ao lado de Marina, ele tratou a presidente da República como anta, e Marina calou.

Jornalismo

Não perderei tempo debatendo o mérito do tratamento ou o tratamento em si. Cada um que pense o que bem quiser.

Mas observo que  somente numa nota do bravo “Painel'' eu soube do que aconteceu ontem no Rio (talvez tenha saído em outros veículos, mas sem maior repercussão).

Imagine se as personagens estivessem trocadas.

Também ontem, em sabatina a jornalistas de “O Globo'', Marina Silva disse ser vítima de um “batalhão de Golias contra Davi''.

Com o perdão da senadora, a julgar pela cobertura dos meios de comunicação nos últimos dias, se há um Golias nesse confronto, é ela mesma.

( O blog está no Facebook e no Twitter )


O mantra de Dunga e as campanhas de Dilma, Marina e Aécio
Comentários Comente

Mário Magalhães

Não sei quando o Dunga começou a pronunciar o que, de tanto ele repetir, mais parecia um mantra: “Os vitoriosos comemoram; os perdedores se justificam''.

Lembro-me de o então jogador martelando o dito pensamento lá pela primeira metade da década de 1990, pouco antes ou pouco depois do triunfo do tetra em que ele brilhou como capitão da equipe.

Não sei se o atual técnico da seleção leu o mantra em algum livro de auto-ajuda, se ouviu em palestra de guru motivacional ou se pontificou da própria cabeça. Sei que ele não se cansava de dizer, com ares de quem compartilha sabedoria: “Os vitoriosos comemoram; os perdedores se justificam''.

Nunca me identifiquei com o ensinamento digamos dunguiano, pois ele sugere legitimidade e autoridade aos vitoriosos que muitas vezes, a história comprova, têm muito a se justificar.

Porém, na prática, a tirada tem seu lastro de verdade. No futebol, o comum é ver o time vitorioso comemorar, e o derrotado, chutar explicações.

Numa campanha eleitoral, quem tem de estar sempre se justificando é porque está perdendo. Ou ao menos sendo alvejado e ameaçado de perder alguma coisa, de modo que se sente obrigado a reagir.

Quando Dilma Rousseff precisa responder sobre a roubalheira na Petrobras, ela está perdendo. Ninguém chama a presidente de ladra, mas a cobram por não ter tomado decisões que evitariam ou diminuiriam a corrupção. Ela se explica porque está perdendo com as críticas.

O mesmo raciocínio se aplica a Marina Silva. A ex-ministra se justifica sobre o pré-sal porque está perdendo com as acusações de que imporia um freio à exploração de petróleo. O que ela fala sobre o pré-sal não escreveu no programa, mas deixa pra lá. A candidata se justifica porque está perdendo.

Até semanas atrás, Aécio Neves também tinha que se justificar, sobre o mensalão tucano, que historicamente antecede o petista. Agora, contudo, o senador se assemelha ao boxeur que não teme baixar a guarda, só pensando em atacar. O motivo é claro: ninguém lhe pede explicações, pois ele é considerado fora da disputa _o diagnóstico soa precipitado.

Moral da história: sempre que um candidato tem que se justificar, é ruim para ele. O vitorioso foi outro, que o levou a falar sobre assuntos que provocam desconforto.

( O blog está no Facebook e no Twitter )


Estado da Bahia se nega a tombar casa onde Carlos Marighella cresceu
Comentários 124

Mário Magalhães

blog - casa marighella ipac

 

O Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural da Bahia (Ipac) respondeu negativamente ao pedido de tombamento da casa da Baixa dos Sapateiros onde passou a infância, a adolescência e parte da vida adulta o revolucionário Carlos Marighella (1911-1969), um dos brasileiros de maior projeção internacional no século XX.

A decisão foi informada no dia 1º pela diretora geral do Ipac, Elisabete Gândara Rosa. Ela se dirigiu ao arquiteto Marcelo Carvalho Ferraz, autor da proposta.

O instituto é uma autarquia vinculada à Secretaria de Cultura do Estado da Bahia.

A diretora afirma no documento, reproduzido acima na íntegra: “[...] Apesar da importância histórica de Carlos Marighella, é do nosso entendimento que os remanescentes existentes dos imóveis localizados na Rua Barão do Desterro n°s, 3 e 5, já não possuem mais elementos que justifiquem uma análise de mérito para o tombamento estadual. Logo, este instrumento de proteção não seria o mais adequado aos referidos imóveis, haja vista o número de intervenções que as edificações sofreram ao longo dos anos, perdendo sua autenticidade e seus elementos compositivos, critérios para análise de mérito de salvaguarda''.

Noutras palavras, a chefe do Ipac sustenta que a edificação [foto no alto] onde o imigrante italiano Augusto Marighella e a filha de escravos Maria Rita Marighella criaram seus oito filhos está degradada demais para ser resguardada pelo Estado por meio de tombamento.

O advogado Carlos Augusto Marighella, filho do antigo militante comunista e guerrilheiro, afirmou em seu perfil no Facebook: “Lamentavelmente, o Ipac nega pedido de desapropriação ou tombamento da casa em que meu pai viveu com a família na Baixa dos Sapateiros, [em] sua terra natal''.

Consultado pelo blog, o arquiteto Marcelo Ferraz disse: “É uma decisão que revela insensibilidade e pequenez. Claro que na Bahia há milhares de casinhas como aquela, que não é nenhum exemplo de arquitetura ou técnica de construção que mereça ser preservado. Ela merece a preservação por seu valor simbólico, histórico, de memória. Perde Salvador e perde o Brasil''. Em sua opinião, o tombamento da casa que abrigou a família Marighella da década de 1910 até pelo menos o fim da de 1940 teria “impacto urbanístico'' na Baixa dos Sapateiros, área empobrecida de Salvador. O projeto apresentado por Ferraz pressupunha a instalação ali de um centro de memória e cultural.

A moradia ainda tem muros, paredes e telhados, apesar do desgaste do tempo e da má conservação.

Nascido em Minas, formado na USP e radicado em São Paulo, Marcelo Ferraz foi estagiário de Lina Bo Bardi. Colobarou com a arquiteta italiana até a morte dela, em 1992. Com Lina Bo e o arquiteto Marcelo Suzuki, realizou projetos de revitalização no Centro de Salvador. É arquiteto multipremiado no Brasil e no exterior, autor de livros, curador de exposições. Coordenou o Projeto Monumenta, com o qual o Ministério da Cultura recupera sítios históricos em todo o país. Foi professor universitário aqui e nos Estados Unidos. Entre os seus projetos mais conhecidos como autor e co-autor estão o Museu Rodin (BA), o Museu do Pão (RS) e o Cais do Sertão (PE).

Marighella e a casa

Nascido perto de onde viria a ser construído o estádio da Fonte Nova, Carlos Marighella foi pequenininho para a casa que o Estado acaba de se recusar a tombar.

Lá ele morava quando se tornou famoso na capital baiana ao responder em versos rimados, em 1929, uma prova de física do legendário Ginásio da Bahia.

Lá morava ao ser preso pela primeira em 1932, junto com mais 500 estudantes universitários e o bacharel em direito Nelson Carneiro, que nos anos 1970 viria a ser o autor da Lei do Divórcio.

Lá morava ao deixar a Bahia, perseguido pela polícia, em fins de 1935. Em maio de 1936, ganhou pela primeira vez as manchetes dos jornais da então capital, o Rio de Janeiro, ao ser preso (passou 21 dias na tortura, o que não foi noticiado na época).

Lá se hospedou na campanha que o elegeu deputado federal constituinte em 1945, depois de passar seis anos (1939-1945) encarcerado.

Lá ficava em 1946, nas viagens à Bahia, no tempo em que era membro da mesa diretiva da Assembleia Constituinte que marcou a redemocratização do Brasil. Na Constituinte, Marighella era ghost-writer da bancada do Partido Comunista, ao lado do escritor Jorge Amado.

A cultura baiana, em especial daquele bairro popular, foi fundamental na formação de Marighella, o político mais conhecido mundo afora que a Bahia gerou _mais que Antonio Carlos Magalhães e os cearenses Antônio Conselheiro e Juracy Magalhães.

Transparência

Este blogueiro é autor da biografia “Marighella – O guerrilheiro que incendiou o mundo'' (Companhia das Letras). O livro não constitui nem promoção nem condenação do protagonista, mas relato jornalístico escrupuloso sobre o que ele fez, disse e, na medida do possível, pensou.

Depois de apresentar o pedido de tombamento, Marcelo Ferraz entregou ao Ipac observações minhas sobre o valor histórico da casa onde Marighella foi criado. Todas as informações constam do livro que escrevi.

Três comentários:

1) para quem não tem ideia de quem foi Marighella, basta contar que, lançada em 1968, no mesmo ano a revista “Veja'' dedicou uma capa ao então guerrilheiro proclamado pela ditadura como o “inimigo público número 1″. No ano seguinte, deu nova capa para Marighella, com foto dele morto. Quantos personagens, em toda a trajetória da publicação, mereceram duas vezes a capa no período de um ano?;

2) em seu ofício, a diretora do Ipac disse que o pedido de tombamento foi feito em maio de 2013. Dezesseis meses para dar a resposta que deu!;

3) o Ipac se refere ao mau estado do imóvel. A seguir este critério, só serão tombadas edificações de famílias abastadas, cujas gerações seguintes tiveram condições financeiras de preservar o patrimônio. O estado só tombaria como patrimônio cultural o que era dos ricos, ignorando o valor histórico do que não pertencia a abonados.

No próximo dia 4 de novembro, o assassinato de Marighella completará 45 anos. Desarmado, ele foi morto em 1969 por ao menos 29 agentes da ditadura armados até os dentes.

No que diz respeito às autoridades do Brasil, Carlos Marighella continua a ser um brasileiro maldito.

( O blog está no Facebook e no Twitter )


Lindberg exibe Romário na TV, mas ex-jogador ignora petista em propaganda
Comentários 2

Mário Magalhães

O Datafolha divulgado ontem retrata a disputa para governador do Rio de Janeiro se desenvolvendo como previam meses atrás os analistas mais atentos: Luiz Fernando Pezão (PMDB) cresce, rumo à liderança no primeiro turno. E Anthony Garotinho (PR), Marcelo Crivella (PRB) e Lindberg Farias (PT) correm pela outra vaga no mata-mata derradeiro.

Pezão e Garotinho colhem 25% da intenção de votos, seguidos por Crivella (19%) e Lindberg (12%). Com a margem de erro de três pontos, os três primeiros empatam tecnicamente. Rejeitado por 46% dos entrevistados, Garotinho perderia hoje no segundo turno para Pezão (47% a 35%) e Crivella (45% a 33%).

Uma das poucas novidades dos últimos dias ocorre no horário eleitoral de Lindberg na TV. O petista repetiu na noite desta quarta-feira o programa da segunda, mostrando o candidato a senador Romário (PSB) em 13 imagens (planos) diferentes, em atividades de campanha comuns. Em letras garrafais, aparece o nome “ROMÁRIO'', e em seguida “LINDBERG'' (para assistir, basta clicar no quadro mais ao alto ou aqui).

Estacionado no quarto posto, Lindberg Farias tenta colar na imagem do ex-jogador que disparou no confronto pelo Senado, deixando muito atrás Cesar Maia (DEM).

O curioso é que, transmitido poucos minutos depois do programa de Lindberg, o de Romário ignora solenemente o dito aliado, que não tem o nome exibido na tela _o de Marina Silva passou a aparecer depois que ela embalou nas pesquisas (veja no segundo quadro ou aqui).

Ou seja: Lindberg gruda em Romário para subir, e Romário foge de Lindberg com medo de ser puxado para baixo (antes, chegou a mostrar o nome do senador do PT em seu programa, o que deixou de fazer).

Ambos integram a mesma coligação.

Além de certo amadorismo na campanha, que só agora ganha mais pegada na televisão, Lindberg sofre com a dificuldade política de explicar por que se opõe ao PMDB: dos sete anos e oito meses da administração Sérgio Cabral-Pezão, o PT passou mais de sete anos no governo, ocupando muitos cargos.

A inserção de Romário ontem na TV (aula de marketing eleitoral) provoca uma dúvida: ele diz apoiar os portadores de doenças raras. E vota em Marina para o Planalto. Para combater muitas doenças, é fundamental a pesquisa com células-tronco. Mas Marina já afirmou ter restrições a essas pesquisas.

Romário fecha com Marina Silva ou com as pesquisas científicas que ajudam portadores de doenças raras?

Assim caminha a campanha eleitoral.

( O blog está no Facebook e no Twitter )