Blog do Mario Magalhaes

Parece que fizeram transfusão de sangue em Ganso: a hora e a vez do craque
Comentários 3

Mário Magalhães

Ganso, brilhante contra o Toluca – Foto Eduardo Knapp/Folhapress

 

Escrevo antes da divulgação da lista prévia de convocados para a Copa América, que sai nesta sexta-feira.

É impossível não pensar que, na hipótese de Dunga preterir Ganso, seria, aí sim, caso de condução coercitiva.

Parece que o jogador com sangue de barata passou por uma transfusão.

Técnica ele sempre teve de sobra. Agora, mostra-se competitivo.

Aparece em todo o campo, armando o São Paulo, como na sublime exibição de ontem pela Libertadores.

Se o corpo é lento, o craque faz o time jogar rápido. Ganso pensa rápido, age rápido.

Recusa passes para os lados, fáceis.

No começo da partida contra o Toluca, errou alguns. Eram difíceis. Se acertasse, deixaria os companheiros pertinho do gol.

Sob o comando de Ganso, chegaram aos 4 a 0.

Se o tricolor atuasse sempre como ontem, seria disparado a melhor equipe do país. Mas é ciclotímico.

Ao contrário de Ganso, que vai estabelecendo regularidade em alto nível, orientado por Edgardo Bauza.

O ceticismo em relação a Ganso vai sendo trocado por confiança.

Jogando o que tem jogado, tem de ser titular da seleção.

Só o que faltava era ser barrado.

Tomara que não.

(O blog está no Facebook e no Twitter )


Questões médicas: alergia ao voto popular inferniza vida de Michel Temer
Comentários 8

Mário Magalhães

Temer, 2% de intenção de voto para presidente – Foto Marlene Bergamo/Folhapress

 

Michel Temer disse que antecipar as próximas eleições presidenciais seria golpe.

O missivista conspira para depor Dilma Rousseff _que não cometeu crime_, rasgando 54.501.118 sufrágios (ela os recebeu para presidente; ele, para vice, o que não significa a mesma coisa).

O vice com ambição de trocar o Jaburu pelo Alvorada amarga hoje 2% de intenção de voto para presidente, de acordo com o Datafolha.

Todas as informações acima se vinculam à inegável alergia ao voto popular manifestada por Temer.

Ele jura não considerar golpe a derrubada da governante eleita soberanamente pelos cidadãos e que nada fez de errado para legitimar o impeachment.

Mas foge das urnas como um alérgico a camarão diante de prato de frutos do mar.

Quer apagar os votos de 2014. Isso sim é golpe.

E não quer que os eleitores se pronunciem, em 2016.

Só assim o candidato 2% teria possibilidade de ocupar o cargo para o qual não foi escolhido pelos brasileiros, cuja voz Temer quer calar (ao menos nas urnas). Outro golpe.

Eleitores legítimos, para ele, só Eduardo Cunha, Jair Bolsonaro, Paulinho da Força, Marco Feliciano e companhia.

A alergia de Temer ao voto popular é grave. Deve ser um inferno conviver com tal patologia.

(O blog está no Facebook e no Twitter )


Nem com impeachment iminente Dilma abandona política que frustrou eleitores
Comentários 70

Mário Magalhães

Posse em 2015: ela teve votos para presidente; ele, para vice – Foto Pedro Ladeira/Folhapress

 

No que depender da poderosa coalização formada para interromper o mandato presidencial antes do prazo estabelecido pela Constituição, Dilma Rousseff está a poucos dias de ser deposta.

O Senado, em caso de votação majoritária pelo impeachment, afastaria a presidente por seis meses, até julgamento definitivo.

Nem a iminência da degola fez Dilma abandonar a política econômica que frustrou a imensa maioria dos eleitores que a consagraram com a reeleição em outubro de 2014.

Em vez de implementar a plataforma alardeada nos palanques, ainda que com adaptações impostas pela conjuntura internacional, o governo adotou a essência do programa defendido pelo candidato Aécio Neves.

Isto é, aderiu à agenda derrotada nas urnas pelos cidadãos.

O arrocho em curso, ainda que disfarçado com a embalagem de “ajustes'', piora a crise e sacrifica sobretudo aqueles que Dilma prometera proteger: os brasileiros mais pobres.

O desemprego se alastra (ainda que aquém da obscenidade de outrora), a renda cai (idem), direitos são retirados (idem), a saúde é sucateada (idem), os perrengues amenizados de 2003 a 2014 se agravam.

Para enfrentar o golpe de Estado (impeachment sem crime é golpe) comandado pelos derrotados das últimas quatro eleições, é fundamental para Dilma mobilizar mais e mais gente.

Com a política recessiva, a despeito de uma ou outra boa notícia ao dito andar de baixo, tal desafio fica muito mais difícil.

A persistência ou teimosia com a orientação rejeitada na eleição constitui suicídio político.

Ainda mais à beira do cadafalso.

Para a história, sobreviverá a pergunta, sobre a qual os historiadores se debruçarão por décadas: por que Dilma procedeu assim?

Alguns tentam explicar com o cerco sofrido desde antes de o segundo mandato começar.

O cerco é fato. Mas cerco se combate. A retranca chama o adversário, encoraja-o. Antecede o revés.

Foi o que aconteceu.

É o que acontece.

P.S.: o possível governo Michel Temer, com as previsíveis medidas antissociais, fará os brasileiros tratarem o arrocho de Dilma como arrochinho.

(O blog está no Facebook e no Twitter )


Por que só agora, após a votação do impeachment, Eduardo Cunha é ilegítimo?
Comentários Comente

Mário Magalhães

Eduardo Cunha, ainda presidente da Câmara dos Deputados – Foto Pedro Ladeira/Folhapress

 

Deu-se enfim a descoberta, sobretudo por certos círculos jornalísticos: Eduardo Cunha não tem legitimidade para exercer o cargo de deputado federal, muito menos para presidir a Câmara.

De acordo. Antes tarde do que nunca.

O curioso é que não ocorreu novidade de vulto depois da votação da Câmara autorizando o Senado a se pronunciar sobre o impeachment de Dilma Rousseff.

As acusações e suspeitas contra Cunha já haviam sido formuladas.

Ele já era réu no Supremo Tribunal Federal, denunciado por corrupção passiva e lavagem de dinheiro.

Aos seus pares, assegurara não ter conta no exterior, versão desautorizada por documentos apresentados por autoridades suíças.

Por que só agora Eduardo Cunha é ilegítimo e quem sabe ilegal, e não antes, quando presidiu a sessão que deu sinal verde para a deposição da presidente constitucional que não cometeu crime?

Estranho. Estranhíssimo.

A presença do famigerado Cunha à frente do show de horrores de 17 de abril é suficiente para considerar ilegítima a decisão contra a governante eleita pelo voto popular.

Mas só agora descobrem que Cunha é Cunha.

Ontem o deputado estava no Palácio do Jaburu, tramando com seu aliado Michel Temer.

(O blog está no Facebook e no Twitter )


Vice de presidente mulher, Temer escala clube do Bolinha para governar
Comentários 1

Mário Magalhães

blog - homens temer 1

blog - homens temer 2

Reprodução “Folha de S. Paulo'', 26.abr.2016

 

Henrique Meirelles, José Serra, Romero Jucá, Murilo Portugal, Henrique Eduardo Alves, Ilan Goldfajn, Amaury Bier, Mário Mesquita, Eliseu Padilha, Carlos Ayres Britto, Carlos Velloso, Antônio Cláudio Mariz de Oliveira, Roberto Brant, Cacá Leão,  Ricardo Barros, Sergio Amaral, Sérgio Danese, Ricardo Paes de Barros, Alexandre de Moraes, Nelson Jobim e Moreira Franco.

Vinte e um nomes, quase dois times de futebol.

Todos homens, nenhuma mulher.

Essa é a relação de cotados para integrar o Ministério do possível governo Michel Temer, em caso de impeachment de Dilma Rousseff. Foi publicada pela “Folha''.

Um ou outro já foi descartado. E substituído por nome masculino.

Vice de presidente mulher, Temer prepara uma administração dominada por homens.

O único nome feminino mais ventilado até agora foi o de Marta Suplicy. Não seria uma promoção, mas um rebaixamento da sua pretensão de disputar a Prefeitura de São Paulo. Ministra, a senadora abriria vaga para outra pessoa concorrer a prefeit@. Homem. Andrea Matarazzo.

Ignoro se o clube do Bolinha montado por Temer decorre de circunstâncias, de idiossincrasias do vice missivista ou de ressentimento pela condição subalterna em relação à presidente constitucional.

No governo Dilma, as mulheres não têm representação à altura. Há poucas ministras. Já foram mais influentes.

Nada que se compare, contudo, à macholândia das fotografias das comitivas que Temer recebe no Jaburu.

É claro que, na última hora, se o impeachment prosperar, alguém alertará que pega mal o Ministério sem mulher.

Mas já será impossível disfarçar que a igualdade de gênero é agenda desprezada por Michel Temer.

Será que, para ele, mulher tem de ser obrigatoriamente recatada e do lar?

(O blog está no Facebook e no Twitter )


Votação de Bolsonaro hoje seria igual à do fascista Plínio Salgado em 1955
Comentários 47

Mário Magalhães

Plínio Salgado e os galinhas-verdes – Reprodução UOL

 

A pesquisa Datafolha da primeira quinzena de abril, mostrando o deputado Jair Bolsonaro com até 8% de intenção de votos para o Planalto, surpreendeu muita gente. Sobretudo pelo desempenho entre os eleitores com renda superior a dez salários mínimos, segmento em que o ex-capitão do Exército receberia um em cada quatro sufrágios.

O apelo de Bolsonaro aumenta em cenário de radicalização. Na campanha pelo impeachment de Dilma Rousseff, os aspirantes a presidente Aécio Neves, Geraldo Alckmin e José Serra não ganharam popularidade. Quem cresceu foi a extrema-direita, com um partidário da tortura e de golpes de Estado. Os tucanos chocaram o ovo.

Não é inédito, muito pelo contrário, o fenômeno de parcelas da classe média aderirem ou flertarem com o fascismo. É novidade no Brasil do século 21, quando a direita saiu do armário onde havia se trancado desde a agonia da ditadura que vigorou de 1964 a 1985.

Até que novo retrato eventualmente venha a provar o oposto, é falsa a ideia de que a direita mais radical domina o ambiente político. Seus simpatizantes fazem barulho, mas são minoritários.

Os 8% de Bolsonaro não são originais na trajetória do fascismo tupiniquim. Em outubro de 1955, Plínio Salgado colheu 8,3% dos votos válidos para a Presidência da República (ou 7,9% do total).

Concorrendo pelo seu Partido de Representação Popular, Plínio era ex-integralista. Vestia uma roupa mais civilizada, porém sem renegar a camisa verde de outrora.

Na década de 1930, sob o comando de Plínio, a Ação Integralista Brasileira arrastara centenas de milhares de pessoas às ruas em torno de sua agenda aparentada com a do nazismo alemão e do fascismo italiano.

Entre muitas semelhanças, a do antissemitismo era uma das mais eloquentes. Assim Plínio Salgado comentou em jornal integralista um confronto armado com organizações de esquerda em 1934: “Declarei solenemente a guerra contra o judaísmo organizado. É o judeu o autor de tudo. (…) Fomos agora atacados, dentro de São Paulo, por uma horda de assassinos, manobrados por intelectuais covardes e judeus. Lituanos, polacos, russos, todos semitas, estão contra nós''.

Nunca renegou pensamentos como esse.

Seus 8,3%, obtidos numa campanha que reuniu numerosos veteranos do integralismo, foram decisivos para a eleição, em que inexistia segundo turno. Juscelino Kubitschek, de centro, venceu com 35,7%. Juarez Távora, de direita, alcançou 30,3%. Se a direita extremada que se mobilizou em torno de Plínio tivesse apoiado Juarez, é provável que a história tivesse sido outra.

Os 8% pró-Bolsonaro, mais abertamente fascista que o Plínio Salgado de 1955, representam uma força considerável. Não devem ser ignorados.

Mas tal ameaça à democracia já ocorreu no Brasil, sem prosperar, pelo menos nas urnas _Plínio Salgado (1895-1975) foi grande incentivador da ditadura imposta pelos tanques em 1964.

(O blog está no Facebook e no Twitter )


Em todo o Brasil, Fiesp segue torrando dinheiro para aprovar impeachment
Comentários 12

Mário Magalhães

blog - fiesp anuncio o globo 23 abr 2016

Jornal “O Globo'', 23.abr.2016

 

Veterana de causas liberticidas como o golpe de Estado de 1964, a Federação das Indústrias do Estado de São Paulo segue torrando dinheiro na campanha pela deposição de Dilma Rousseff.

No dia 29 de março, a Fiesp integrara uma gorda coalização de entidades empresariais em anúncio gigantesco pró-impeachment, como anotou o blog.

No sábado, a agremiação presidida por Paulo Skaf bancou sozinha mais propaganda. Aqui no Rio, vi no “Globo''. No domingo, Skaf foi recebido por Michel Temer.

A Fiesp divulgou o que supõe ser digno de elogio: o voto de deputados do Rio pró-impeachment. Incluindo Pedro Paulo, que na antevéspera tentava explicar o inexplicável, o desabamento da ciclovia que matou ao menos duas pessoas.

Além do atávico apetite golpista, o que chamou a atenção foi a federação paulista veicular alhures anúncio tratando exclusivamente de deputados do Estado do Rio. Nem a Firjan, o clube dos industriais locais, associou-se à publicação. E isso que está na mesma trincheira, a da derrubada da presidente constitucional.

Não é a primeira vez que a Fiesp age assim na cruzada de 2016 contra a soberania do voto popular.

Ao fundo, ecoa a voz do deputado Paulinho da Força, possível ministro do Trabalho em eventual governo Temer: “Tem muita gente querendo financiar esse negócio do impeachment''.

(O blog está no Facebook e no Twitter )


A caixa-preta da Prefeitura do Rio
Comentários 40

Mário Magalhães

A ciclovia desabou, e ao menos duas pessoas foram mortas – Foto Ricardo Borges/Folhapress

 

Foi preciso que ao menos duas pessoas fossem mortas no feriado de Tiradentes para que os cidadãos conhecessem um pouco mais a Prefeitura do Rio.

Na quinta-feira, desabou aqui no Rio um trecho da ciclovia da morte _não associem o nome de Tim Maia à obra erguida com desprezo pela vida humana. Foram mortos o gari comunitário Ronaldo Severino da Silva e o engenheiro Eduardo Marinho Albuquerque.

A ciclovia havia sido inaugurada em janeiro. Durou pouco mais de três meses.

A primeira novidade do noticiário foi a revelação de que o consórcio que construiu a ciclovia pertence a parentes do secretário de Turismo do Rio, Antônio Pedro Viegas Figueira de Mello.

Que Figueira de Mello e o grupo Concremat sustentem que o parentesco não influencia os negócios é previsível. Surpreendente foi o supersecretário municipal Pedro Paulo Carvalho dizer que ignorava o vínculo familiar.

Do colega de secretariado com o conglomerado que fatura mais de R$ 1 bilhão por ano.

Conglomerado que em 2014 pingou R$ 1 milhão na campanha à reeleição do governador Luiz Fernando Pezão, correligionário de Pedro Paulo.

Conglomerado cujos negócios com a prefeitura dispararam após a chegada ao governo da coalização liderada por Eduardo Paes, que quer fazer de Pedro Paulo seu sucessor.

Eis o que conta o noticiário: “Na gestão Paes, iniciada em 2009, a empresa multiplicou por 18 [dezoito] o valor de contratos assinados com a Prefeitura do Rio. Entre 2000 e 2008, as empresas do grupo assinaram 16 contratos com o município. Os acordos somavam R$ 24,8 milhões, em valores corrigidos pela inflação. Após a entrada de Paes, as empresas passaram a participar de 54 obras no município, com um valor total de R$ 451,6 milhões, também em valores corrigidos''.

Desse total, cerca de 30% são oriundos de contratos com dispensa de concorrência. A justificativa é o alegado caráter emergencial das empreitadas.

Incrível, observando a catástrofe na ciclovia, é que as empresas do grupo Concremat costumam ser contratadas para evitar tragédias. “Elas são responsáveis por identificar áreas de risco em favelas, realizar obras de contenção de encostas, reforçar a estrutura de viadutos e mapear o subsolo para evitar explosões de bueiros.''

Ironia ou desfaçatez?

Dois dias antes de a ciclovia ruir sob o impacto das habituais ondas que castigam o costão da avenida Niemeyer, constataram o risco de ressaca. A prefeitura não interditou o trânsito na ciclovia. Por quê? Porque nunca houve plano de interromper a circulação naquela via, mesmo em caso de o mar ameaçar a integridade física dos transeuntes.

A ciclovia custou quase R$ 45 milhões, em torno de 25% mais do que o previsto.

O mais inacreditável da caixa-preta da prefeitura é a identidade da empresa paga pela administração Eduardo Paes para fiscalizar a obra.

A ciclovia foi construída pelo consórcio Contemat/Concrejato, braços do grupo Concremat.

Para fiscalizar os trabalhos, o município contratou a Concremat Engenharia e Tecnologia S/A, do mesmo grupo.

Quem constrói é quem fiscaliza, em nome _e com o dinheiro_ dos contribuintes.

Existe evidente conflito de interesses na condição simultânea de fiscalizado e fiscalizador.

A tragédia das mortes vai expondo o que ficou escondido por muito tempo.

Qual será a próxima revelação?

P.S.: O prefeito Eduardo Paes pertence ao PMDB. O vice Adilson Pires, ao PT.

(O blog está no Facebook e no Twitter )